Boa Noite ! Hoje é Quinta Feira, 21 de Setembro de 2017.
 
Fique por dentro de nosso conteúdo em sua caixa de e-mail:
 




 
> CLIPPING@MAIS
Compartilhar
Meu Brasil brasileiro: professor reclama de depredação de patrimônio público e é punido
28/05/2013 - Redacao Midia@Mais
Bem vindo ao mundo paralelo da esquerda brasileira, onde errado é certo e certo é errado, ou, melhor ainda, não há certo ou errado, só quando a militância psicótica e a mídia amiga assim decidem.

Nada melhor do que um rápido mergulho no universo paralelo da educação pública superior para um retrato do Brasil sui generis em que vivemos. Como se sabe, a militância esquerdista entende tudo que é “público” como de seu uso desimpedido e segundo interesse da agenda política. O fato é que militantes picharam as instalações da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), sustentada com o dinheiro de todos. A foto neste link explicita o aspecto deplorável em que um prédio público se encontra ao ser depredado: http://g1.globo.com/mato-grosso-do-sul/noticia/2013/05/no-facebook-professor-prega-fim-de-cursos-de-gente-colorida-na-ufms.html.

 

Pichação é pichação, independente do que se escreve, correto? Diz o Código Penal em seu artigo 163 (http://escolajuliocorreiadeoliveira.blogspot.com.br/2012/06/depredacao-do-patrimonio-publico.html):

 

Destruir, inutilizar ou deteriorar coisa alheia:

Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.

Parágrafo único - Se o crime é cometido:

I - com violência à pessoa ou grave ameaça;

II - com emprego de substância inflamável ou explosiva, se o fato não constitui crime mais grave;

III - contra o patrimônio da União, Estado, Município, empresa concessionária de serviços públicos ou sociedade de economia mista;

Pena - detenção, de 6 (seis) meses a 3 (três) anos, e multa, além da pena correspondente à violência.

 

Irritado com o CRIME, um professor da mesma universidade destempera-se e posta numa rede social um protesto contra a sujeira, sem medir palavras e atacando quem ele julga ser responsável pela depredação: http://g1.globo.com/mato-grosso-do-sul/noticia/2013/05/errei-diz-professor-da-ufms-que-fez-postagem-contra-homossexuais.html.

 

O resultado? Tanto a imprensa quanto a direção da própria instituição voltam-se ferozmente contra o professor, prometendo sindicância e punição. O homem é execrado pela própria militância envolvida com a depredação e ninguém parece se lembrar de apurar quem sujou a parede do prédio público.

 

Não seria de plena responsabilidade dos administradores da universidade zelar pelo patrimônio público, em vez de ficar inventando regras de censura ao pensamento de outros brasileiros? São pagos com nosso dinheiro para quê, afinal?

 

Ademais, a lamentável sucessão de fatos merece algum outro comentário?

 



 
Compartilhar

COMENTÁRIOS
15/06/2013
(George Maia)

"A universidade é uma ilha, onde o exercício da hipocrisia nas relações cotidianas é uma regra" (Milton Santos, geógrafo da USP), durante entrevista ao programa Conexão Roberto D'Ávila. acesse: http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=bBalW_Z6D8E
 
01/06/2013
(Ricardo)

Realmente Carlos o Brasil nao tem salvação nem a médio, nem a longo prazo pois o povo brasileiro nao tem cultura e nem senso critico.....afinal o que importa é quem fica com quem no final da novela ou qual time vai ser campeão não é mesmo?
 
30/05/2013
(Julio Cesar)

Uma palavra resume tudo:subversão
 
29/05/2013
(Paulo)

Infelizmente, os professores são massa de manobra de sindicalistas canalhas, ideologias falidas e os alunos as cobaias desse experimento medonho, que visa única e exclusivamente formar militantes para a causa socialista fracassada e destruidora de mentes. O resultado está ai: uma legião de acéfalos que cultuam assassinos estrangeiros, ideologias falidas, vivem no mundo do faz de conta e são eternos adolescentes, sempre prontos para gritar alguma palavra de ordem, e em seguida não conseguir sequer limpar o traseiro sozinhos...
 
29/05/2013
(LG)

Olha, pessoal, que me desculpem os professores que acompanham aqui o nosso M@M, não quero generalizar, mas o fato é que classe dos docentes brasileiros está colhendo o que plantou nos últimos 50 anos. O professorado, pelo menos desde os anos 60, esteve sempre na vanguarda de todo tipo de porcaria esquerdista e subversiva, que disfarçada de "novas pedagogias", buscou e buca mesmo é destruir a autoridade (inclusive dos idiotas úteis do professorado nacional), a família, os valores e conceitos tradicionais da nação, dentro de um quadro de inegável guerra de valores e marxismo cultural. É uma porcariada que vai desde os delírios alucinados de um Paulo Freire, passando pelo tal desconstrucionismo, "pedagogia da liberdade", e por aí vai, até chegarmos no ponto em que estamos, onde se distribuem nas escolas cartilhas ensinando às crianças como ser homossexuais. E pelo caminho, os professores ainda conseguiram construir uma das máquinas sindicais mais nefastas deste país, o tal SINPRO. Portanto, enquanto os professores não aceitarem sua parcela de culpa na destruição da educação nacional e resolverem deixar de lado suas alucinações esquerdistas, para, finalmente, focarem nas crianças que tanto precisam deles, continuarão a passar por situações humilhantes como a tratada neste post.
 
28/05/2013
(Carlos)

Eu já tirei meu passaporte faz 3 anos.......agora falta escolher qual pais irei tirar meu visto...estou analisando.....e estou pensando seriamente em ir para Alemanha, único país que cresce dentro da europa. Os USA acredito que não dá, enquanto tiver aquele Lula VERSÃO black power a coisa vai para o mesmo caminho do Brasil. Bom, um conselho eu dou: tirem o passaporte e o visto para o lugar certo pois aqui não tem salvação. ABRAÇOS......
 
INSERIR COMENTÁRIO
Nome / Apelido
E-mail (opcional)
Comentário



Redação: Paulo Zamboni
AmbientalismoAmérica LatinaBrasilCulturaEconomiaEntrevistasEUA e GeopolíticaEuropaMídia em FocoOriente MédioPolíticaSegurança Pública
Artigos IndicadosCLIPPING@MAISEspecialLiteraturaResenhas
Home Editorial Faq Fale Conosco


Canais:
 
MÍDIA A MAIS © COPYRIGHT 2013, TODOS OS DIREITOS RESERVADOS